DESCONTOS DE ATÉ 50% CURSO PREPARATÓRIO MAGISTRATURA DO TRABALHO EAD - ATÉ 20/11!
Regime dos Créditos Trabalhistas e Demais Aspectos Práticos da Lei 11.101/05 - ÚLTIMAS VAGAS!
Palestra com o Ministro TST Luiz Philippe Vieira de Mello Filho - CONFIRMADO/ÚLTIMAS VAGAS!

Curso

Carga Horária: 6 horas
Data de Início: 05/12/2019
Valor: R$ 150,00

CURSO RÁPIDO:

IMPORTÂNCIA DA PERÍCIA ERGONÔMICA (NR-17) NOS PROCESSOS ENVOLVENDO DOENÇAS OCUPACIONAIS - TURMA EM PELOTAS/RS

Carga Horária: 

6 horas.

Realização:

5 de dezembro de 2019, quinta-feira, das 9h30 às 12h30 e das 14h30 às 17h30.

Local:

Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias e Cooperativas da Alimentação de Pelotas. Rua Almirante Barroso, 3124, Centro – Pelotas/RS.

Investimento: 

R$ 150,00 (Depósito/transferência bancária).

Professor: 

Dr. Douglas Garcia.

Fisioterapeuta*, Perito Sênior e Assistente Técnico.

Objetivos:

Apresentar a perícia ergonômica (NR-17) como prova para melhor fundamentar as ações envolvendo doenças ocupacionais.

 

*Fisioterapia Forense é a aplicação dos conhecimentos de qualquer especialidade fisioterapêutica, ou outra atividade enquadrada em área de atuação fisioterapêutica, a serviço da justiça estatal ou privada, determinando a elaboração de documentos legais cujos teores se relacionem às disfunções dos movimentos humanos, e a eventual relação destas com os sistemas onde os mesmos estejam inseridos.

O fisioterapeuta quantifica e qualifica as incapacidades físico funcionais oriundas de qualquer evento seja um acidente de carro, acidente doméstico, acidente de trabalho, doenças ocupacionais etc. A repercussão de qualquer infortúnio pode ser mensurado pelo fisioterapeuta que irá parametrizar seus achados pela CIF (Classificação Internacional de Funcionalidade) e/ou Tabela do DPVAT. 

A atuação do Fisioterapeuta pode auxiliar o profissional advogado em processos contra INSS, Seguradora Líder, Seguradoras Particulares, Lesões corporais e também as ações trabalhistas.   

Com a reforma trabalhista, é necessário um maior cuidado no ingresso de ações em virtude da sucumbência por parte de Reclamante. O Fisioterapeuta pode avaliar o RTE, avaliar os documentos nosológicos, entrevistar o RTE para entender suas atividades laborais e assim, como jurisconsultor, verificar a viabilidade da ação.

O Fisioterapeuta Forense pode desenvolver um PARECER AD HOC para dar o “start” na ação, pode ser Assistente Técnico de uma das partes, pode ser jurisconsultor fazendo quesitos, impugnações e manifestações.

Programação:

  • Perícia Ergonômica
  • Perícia Cinesiológica funcional
  • Análise dos documentos nosológicos
  • Estudo da NR-17
  • Estudo da Biomecânica ocupacional
  • Fatores de Riscos Ergonômicos
  • Estudo da limitação da capacidade laboral
  • Quesitação
  • Estudo de viabilidade da ação envolvendo doenças ocupacionais

 

Informações/Matrículas: femargs@femargs.com.br